Pesquisa personalizada

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Funcionários de fábrica de iPads trabalham 24 horas por dia.


Os operários das fábricas chinesas que produzem os iPads da Apple trabalham em condições sub-humanas. Não têm direito a descanso semanal, dormem em dormitórios apinhados e ficam com as pernas tão inchadas que mal conseguem andar depois de um turno de 24 horas seguidas. Em 2010, cerca de 140 trabalhadores chineses ficaram feridos por terem usado um produto tóxico para limpar os ecrãs dos iPads e, no ano passado, duas explosões mataram quatro pessoas, ferindo 75.



Segundo o jornal The New York Times, a empresa fundada por Steve Jobs, com sede na Califórnia, nos EUA, já foi alertada para as condições de trabalho dos funcionários que trabalham em Chengdu, uma fábrica no sudoeste da China. Nicholas Ashford, representante do Massachusetts Institute of Technology e especialista em condições de trabalho, diz que se a Apple não actuar sobre este assunto terá de ser “repreendida”. 


“É moralmente repugnante que um país colabore com essas práticas e tire partido disso”, diz.



Na fábrica em Chengdu, há um estandarte que serve de aviso para os 12 mil funcionários: “Trabalha arduamente hoje para não teres de procurar arduamente trabalho amanhã”. Os funcionários que chegam atrasados ao trabalho têm de escrever cartas de confissão.



Em 2009, um trabalhador da Foxconn, empresa com sede em Taiwan, saltou do topo de um edifício depois de ter perdido o protótipo de um iPhone. Sabe-se também que 18 funcionários tentaram cometer suicídio em apenas dois anos, na mesma empresa. Para evitar mais casos semelhantes, a Foxconn instalou redes nos prédios para evitar mais mortes e proporcionou tratamento aos seus funcionários.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Meanwhile in the forest...floresta misteriosa...

Hoje o rei faz anos.



Eusébio da Silva Ferreira, o maior símbolo do futebol português, completa nesta quarta-feira 70 anos, com mais de meio século de Portugal e de Benfica, desde a sua chegada a Lisboa no Inverno de 1960.

Nascido a 25 de Janeiro de 1942, Eusébio tornou-se a maior lenda do futebol português, não só ao serviço do Benfica, na década mais gloriosa do clube (anos 60), mas também da selecção nacional, com o terceiro lugar no Mundial de 1966.

Com o número 10 nas costas ao serviço das "águias" e o 13 com as "quinas", o "Pantera Negra" teve os seus momentos mais altos no segundo título europeu do Benfica (5-3 ao Real Madrid) e no Mundial de Inglaterra 66, onde foi o melhor marcador.

A forma determinada e o espírito de sacrifício com que se entregou à profissão são, segundo o próprio, a "chave" do êxito que teve ao longo de uma carreira recheada com um título europeu de clubes, um terceiro lugar num Mundial e uma série "interminável" de prémios individuais e... de golos, muitos golos.

"Nunca tive medo de levar pancada. Só no joelho esquerdo, fui operado seis vezes ao menisco... mas nunca tive medo, porque sempre gostei de jogar", revelou, em declarações à agência Lusa, o antigo jogador por ocasião do seu 50.º aniversário.

O cinquentenário serviu também para o clube do seu coração e no qual cumpriu quase toda a carreira (15 épocas de Benfica) o homenagear, com a colocação de uma estátua de bronze do jogador na zona do estádio, primeiro no antigo e hoje na nova Luz.

Longe vão os tempos da sua chegada a Lisboa, numa viagem repleta de secretismo - o Sporting concorria pelo jogador - e que significou o abandono do futebol amador moçambicano e o ingresso num Benfica colossal, que se preparava para conquistar a sua primeira Taça dos Campeões Europeus.

Depois dessa noite, o futebolista - face ao diferendo entre Benfica e Sporting - ainda teve que esperar alguns meses para se estrear pelos "encarnados", a 23 de Maio de 1961, dando início a uma carreira de sucesso.

A sua chegada ao futebol foi muito polémica e faz parte dos anais do futebol: a actuar no Sporting de Lourenço Marques, filial do Sporting, era pretendido pelos "leões", mas foi o Benfica que ganhou... uma "louca" corrida.

Para levarem a melhor, os dirigentes "encarnados" utilizaram mesmo um código nas suas comunicações telefónicas e telegráficas com Moçambique, de forma a despistarem os "leões", referindo-se ao jogador através de um nome de mulher - Rute.

Parecia um "filme de espiões": Eusébio foi levado num Volkswagen com matrícula do governo directamente para as escadas do avião "Super Constelation", no qual foi o último a embarcar, sem que o seu nome tenha sequer feito parte da chamada dos passageiros.

Inconformado com o facto de verem Eusébio evoluir na Luz, o Sporting chegou mesmo a acusar os dirigentes rivais de terem raptado o jogador, mas Eusébio nega esta versão e garante que o Benfica ganhou por ter negociado com a sua mãe e o seu irmão.

"O Benfica estava à frente porque falou com a minha mãe e o meu irmão. O Sporting fala em rapto, mas eu nunca poderia aceitar ter sido raptado", explicou Eusébio, que, depois de chegar a Lisboa, viveu durante quatro meses no "Lar do Jogador" do seu novo clube, isto depois de 10 dias no Algarve com o dirigente Domingos Claudino.

E seria só na época seguinte que a Europa se preparava para descobrir um dos mais importantes talentos da história do futebol, enquanto para trás ficavam as "peladinhas" com bolas de trapos e uma época (1959/60) ao serviço do Sporting da sua cidade, Lourenço Marques, actual Maputo.

A subida da "escadaria" da glória deu-lhe a alcunha de "Pantera Negra" e conduziu-o à conquista dos mais importantes troféus pessoais atribuídos a futebolistas, rivalizando em popularidade com "mitos" como o brasileiro Pelé, o alemão Franz Beckenbauer, o hispano-argentino Alfredo Di Stefano e o holandês Johan Cruyff.

Famosas ficaram as suas arrancadas demolidoras e os "petardos" desferidos de todos os ângulos e a qualquer distância da baliza, que ainda hoje levam muitos a falar de um "pontapé à Eusébio" para "adjectivar" um remate muito forte e colocado.

A entrada quase directa no "onze" titular de um Benfica campeão europeu, prevista pelo defesa Germano nos balneários logo após um dos primeiros treinos que Eusébio efectuou no "ninho das águias", foi o começo de uma carreira sem par no panorama do futebol português.

O talento ímpar era constatado pelos colegas nos treinos e o capitão José Águas terá mesmo dito: "eu não sei, até posso ser eu, mas alguém tem que sair para ele jogar", o que viria a acontecer, mas com o campeão europeu Santana.

O currículo de Eusébio é único: sete vezes melhor marcador do campeonato nacional (1963/64, 64/65, 65/66, 66/67, 67/68, 69/70 e 72/73), duas vezes o melhor marcador europeu (1967/68 e 72/73) e uma vez eleito melhor futebolista europeu.

Além disso, o "Pantera Negra" foi 11 vezes campeão nacional pelo Benfica - alinhando em 294 jogos, nos quais marcou 316 golos -, ganhou cinco Taças de Portugal, foi campeão europeu em 1961/62 e finalista da Taça dos Campeões em 1962/63 e 67/68.

A sua carreira ficou ainda marcada pela presença em 64 jogos da selecção nacional, pela qual se estreou em 8 de Outubro de 1961 com uma derrota no Luxemburgo (4-2) e pela participação em dois encontros da selecção mundial e 12 da selecção europeia.

No Mundial de 1966, em Inglaterra, Eusébio foi o grande responsável pelo terceiro lugar conquistado pela turma das "quinas", ganhando o troféu destinado ao melhor marcador da prova, com nove golos, e sendo considerado o melhor jogador da competição.

A sua melhor exibição de sempre terá acontecido no jogo com a Coreia do Norte, dos quartos-de-final, quando Eusébio marcou quatro golos e levou Portugal ao "colo" para as meias-finais (5-3), isto depois dos asiáticos terem chegado rapidamente a... 3-0.

Encravado na sua carreira ficou uma frustrada transferência para Itália, apesar de o Benfica ter aceitado uma proposta de três milhões de dólares (então cerca de 90 mil contos) para vender o seu "passe" ao Inter de Milão... o ditador Oliveira Salazar considerou-o "património nacional".

Condecorado pelo Governo português com os colares de Mérito Desportivo (1981) e de Honra ao Mérito Desportivo (1990), Eusébio recebeu também a "Águia de Ouro", o mais alto galardão do Benfica, em 1982, enquanto a sua vida inspirou livros biográficos, filmes de longa-metragem e álbuns de banda desenhada.

Menos ortodoxa foi a homenagem prestada em 1990 por um grupo de rock de Manchester, Inglaterra, que adoptou como designação o nome de "Eusébio", mais de 20 anos depois de o "Pantera Negra" ter "brilhado" a grande altura num Mundial... que merecia ter ganho. Jamais serão esquecidas as suas lágrimas após o Inglaterra-Portugal.

Actualmente no papel de embaixador da selecção e símbolo vivo do Benfica, Eusébio ultrapassou alguns problemas de saúde, primeiro em 2007 quando teve que ser operado à artéria carótida esquerda, para prevenir um eventual acidente vascular cerebral (AVC) e mais recentemente quando foi internado com uma pneumonia bilateral.

Em Dezembro último, o antigo jogador passou o Natal hospitalizado com pneumonia e já em Janeiro teve que regressar à unidade hospitalar, mas com um quadro clínico de cervicalgia, depois de se ter queixado de dores.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Ainda temos 100 bilhetes para camarote

Pastéis de Belém, o segredo mais saboroso de Portugal




O sabor da Tradição

No início do Século XIX, em Belém, junto ao Mosteiro dos
Jerónimos, laborava uma refinação de cana-de-açúcar associada a
um pequeno local de comércio variado.

Como consequência da revolução Liberal ocorrida em 1820, são em
1834 encerrados todos os conventos de Portugal, expulsando o
clero e os trabalhadores.

Numa tentativa de sobrevivência, alguém do Mosteiro põe à venda
nessa loja uns doces pastéis, rapidamente designados por "Pastéis de
Belém".

Na época, a zona de Belém era distante da cidade de Lisboa e o
percurso era assegurado por barcos de vapor. No entanto, a
imponência do Mosteiro dos Jerónimos e da Torre de Belém,
atraíam os visitantes que depressa se habituaram a saborear os
deliciosos pastéis originários do Mosteiro.

Em 1837, inicia-se o fabrico dos "Pastéis de Belém", em instalações
anexas à refinação, segundo a antiga "receita secreta", oriunda do
convento. Transmitida e exclusivamente conhecida pelos mestres
pasteleiros que os fabricam artesanalmente, na "Oficina do
Segredo". Esta receita mantém-se igual até aos dias de hoje.
De facto, a única verdadeira fábrica dos "Pastéis de Belém"
consegue, através de uma criteriosa escolha de ingredientes,
proporcionar hoje o paladar da antiga doçaria portuguesa.

Fonte:

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Tamara Gorro, namorada de Garay conquista “bola rosa de ouro”



Um dos pontos altos na carreira de um jogador de futebol é receber a Bola de Ouro ou a Bota de Ouro. Mas para as mulheres dos futebolistas, o jornal espanhol 'Sport' criou a Bola Rosa de Ouro, que distingue a mais sensual.

Este ano mais de 500 mil pessoas votaram, tendo mais de 32 mil escolhido Tamara Gorro, namorada do benfiquista Garay, como favorita. Irina Shayk conseguiu apenas o terceiro lugar, com 13% dos votos, ficando atrás de Edurne, noiva do guarda-redes David de Gea.

Em 2010, o título foi atribuído a Zaira Nara, antiga companheira de Diego Forlán.



3º lugar Irina Shayk, namorada de Cristiano Ronaldo


2º Lugar Edurne Garcia, noiva do guarda-redes David de Gea


1º lugar Tamara Gorro, namorada de Eziquiel Garay



Fonte:

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Cantona quer reunir assinaturas para candidatar-se à presidência de França



O antigo futebolista Eric Cantona revelou hoje a intenção de reunir as assinaturas necessárias para se candidatar à presidência da república de França, nas eleições da próxima primavera.

Cantona escreveu aos presidentes de câmara de França, a fim de obter as 500 assinaturas necessárias à candidatura, referindo na carta reproduzida pelo jornal diário Libération que "é um cidadão atento". 

"As minhas actividades profissionais conduziram-me de uma carreira desportiva de alto nível às actividades artísticas. Estou atento às oportunidades que esta época oferece aos mais jovens (muito limitadas), às injustiças (muitas, demasiadamente violentas e sistemáticas) ", escreveu Cantona, de 45 anos.  

Eric Cantona acrescentou que é portador de uma "mensagem simples, mas clara". 

"Uma mensagem de verdade, mas de respeito. Uma mensagem de solidariedade e de energia", frisa o antigo internacional francês, que se destacou no Manchester United, de 1992 a 1997.

Car Surfing Drunk Tyler - nova modalidade desportiva "Surf no capô do carro a alta velocidade"

domingo, 8 de janeiro de 2012

Euro 2012: Portugal é o campeão dos gastos

O jornal desportivo espanhol “As” divulgou um estudo que pretende identificar quais as selecções que vão gastar mais com a estadia para o Campeonato da Europa de 2012. Portugal surge em primeiro lugar com uma despesa diária de 33 mil euros.
O Euro 2012 vai ter lugar na Ucrânia e na Polónia, sendo que a selecção comandada por Paulo Bento vai ficar hospedada num hotel polaco de Opalenica.
O diário espanhol quis perceber quanto é que as várias selecções em competição vão gastar com o alojamento, e o resultado acabou por ser surpreendente se tivermos em consideração as constantes medidas de austeridade que têm vindo a ser aplicadas em Portugal.
Assim, a selecção nacional vai gastar cerca de 33 mil euros por dia e ocupa o primeiro lugar da tabela. Já a selecção espanhola vai ser a que menos vai gastar em hotéis, 4.700 por dia. A Rússia é a segunda selecção a gastar mais com 30.400 euros diários.


Selecção e custo de hotel:

1 - Portugal - Opalenica - 33174 euros

2 - Rússia - Varsóvia - 30400 euros

3 - Polónia - Varsóvia - 24000 euros 

4 - Irlanda - Sopot - 23000 euros

5 - Alemanha - Gdansk - 22500 euros

6 - Rep. Checa - Wroclaw - 22200 euros

7 - Inglaterra - Cracóvia - 19000 euros

8 - Holanda - Cracóvia - 16200 euros

9 - Itália - Wieliczka - 10500 euros

10 - Croácia - Warka - 8300 euros

11 - Dinamarca - Kolobrzeg - 7700 euros

12 - Espanha - Gniewino - 4700 euros

Fonte:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...