Pesquisa personalizada

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

O pecado da Usura...



Para se poder entender melhor o que é a usura e quem são os moneychangers  (ou argentários), é inevitável retroceder no tempo até volta de 200 A.C., quando pela primeira vez se possui indicador da "usura". Através dos vários significados do dicionário para usura encontramos juro exorbitante, exagerado, lucro exagerado, mesquinharia.
Dois imperadores romanos foram mortos por pretenderem introduzir leis de reestruturação para limitar a património privado de terras ao máximo de 500 acres e libertando a cunhagem de dinheiro, que era feita pelos agiotas. Em 48 A.C., Júlio César chama a si o poder de expelir moeda, disponibilizando-o para qualquer um que possuísse ouro ou prata. Também acabou assassinado. De seguida os homens vulgares perderam suas habitações e seus bens, da mesmo feitio como temos visto suceder na crise americana das penhoras.
Os judeus intentam aclarar a sua excessiva e velha ganância e avidez, incriminando os reinos cristãos por toda a Europa que supostamente os teriam impedido de praticar determinadas ocupações durante séculos, e assim sentenciando-os, pobres desgraçados, a resistirem somente através da usura e da agiotagem.
Mas, obstando esta incoerente elucidação, Sayce, historiador britânico expõe documentos segundo os quais, a arcaica particular do parasitismo judaico já era patenteada na antiga Babilónia, uns argentários judeus que desde aquele período, anterior à primeira aniquilação do Reino de Judá  já presavam bastante "aliviar" os bolsos seus "fregueses", juros exorbitantes de 25%... e isso cinco séculos antes da nascença de Jesus Cristo.
A usura crime anteriormente punido pela igreja, pelo facto dos usuários ganharem o dinheiro com o sangue e suor dos outros, sobre um tempo e uma liberdade que não lhes pertencem, condenando o seu semelhante a humilhantes probatórias impostas pela necessidade humana. Contudo ontem como hoje os agiotas dos banqueiros em plena crise económica (paga por todos nós com dinheiro do erário publico), dão-se ao pagode de apresentar lucros mirabolantes, que todos nós sabemos terem saído do nosso coiro, quando o resto do país está na mais completa ruína. Desenganem-se quem pensa que o poder executivo manda no país… pois na verdade este é todo dos agiotas… das sanguessugas dos banqueiros.


3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Putz, mano. Esses bagulho é bem verdade. Esses caras passam a vida chulando o graveto à malta. A verdade incomoda...

    ResponderEliminar
  3. Olá, Cinza Coelho!
    Fui ver a "sua" história da usura.
    1 - Fiquei surpreendido como chegeui ao seu blog através do Google, digitando "usura". É que tenho um blog "Em nomeda Ciência" a que o Google já não dá acesso directo, digitando o nome. Se quiser ir lá e deixar comentário, eis o endereço: http://ohomemperdeuosseusmitos.blogspot.com
    2 - O assunto é referido no meu livro "Um Mundo Liderado por Mulheres", que irei comentar , dia 8 , na TVI, entre as 16H00 e as 17H00.
    3 - Não poderia estar mais de acordo consigo. Aliás, num mundo liderado por mulheres, seria proibida toda a espécie de usura. É a usura que cria as crises e as injustiças, por esse mundo fora.
    Cordiais saudações. Espero a sua visita.
    Meu e-mail: fr.dom@netcabo.pt

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...